Você sabia que a queima de lenha para a confecção de cerâmica através das olarias provoca poluição? Isso porque a liberação de CO2 (dióxido de carbono) por combustão é altamente prejudicial ao ozônio um gás frágil existente ao redor do planeta terra que protege animais, plantas e seres humanos dos raios ultravioleta emitidos pelo Sol. A poluição das camadas superiores da terra provoca o efeito estufa.

 

Durante muitos anos os empresários que produzem cerâmicas no vale do Açu não demostravam interesse para evitar qualquer tipo de dano ao meio ambiente.

Há evidências científicas de que substâncias fabricadas pelo homem (em todo mundo) estão destruindo a camada de ozônio. Em 1977, cientistas britânicos detectaram pela primeira vez a existência de um buraco na camada de ozônio sobre a Antártida.

 

Desde então, têm se acumulado registros de que a camada está se tornando mais fina em várias partes do mundo, especialmente nas regiões próximas do Pólo Sul e, recentemente, do Pólo Norte.

 

Diversas substâncias químicas acabam destruindo o ozônio quando reagem com ele. Tais substâncias contribuem também para o aquecimento do planeta, conhecido como efeito estufa. A lista negra dos produtos danosos à camada de ozônio inclui os óxidos nítricos e nitrosos expelidos pelos exaustores dos veículos e o CO2 produzido pela queima de combustíveis fósseis, como o carvão e o petróleo. Mas, em termos de efeitos destrutivos sobre a camada de ozônio, nada se compara ao grupo de gases chamado clorofluorcarbonos, os CFCs.

 

Para evitar essa poluição existem novas regulações por parte do Ministério do meio ambiente para a confecção de tijolos e telhas na região da industria ceramista presente em Assu.

EFEITOS

Por: Vonúvio Praxedes